A Casa do Vestido Castanho

As relações entre uma alma e outra, através de coisas tão incertas e divergentes como as palavras comuns e os gestos que se empreendem, são matéria de enganada complexidade. No próprio acto em que nos conhecemos, nos desconhecemos. Dizem os dois “amo-te” ou pensam e sentem-o por troca, e cada um quer dizer uma ideia diferente, uma vida diferente, até, porventura, uma cor ou aroma diferente, na soma abstracta de impressões que constitui a actividade da alma. Nunca amamos alguém. Amamos, tamsòmente, a ideia que fazemos de alguém. É a um conceito nosso – em suma, é a nós mesmos – que amamos.

Coprodução_ ASTA e TeatrUBI
Criação e direção_ Rui Pires
Assistente de direção_ Maria Coelho
Texto_ adaptação livre de Rui Pires, a partir de textos de Fernando Pessoa e Marisa Inglês
Desenho de luz_ Pedro Fonseca
Edição sonora_ Gonçalo de Morais
Professora de voz_ Carmo Teixeira
Imagem do cartaz_ Moncho Barazeiro
Cartaz_ Marisa Inglês
Voz-off_ Sérgio Novo
Guarda-roupa_ Maria Coelho e Marisa Inglês
Cocriação e interpretação_ Diogo Proença, Gonçalo de Morais e Marisa Inglês