Posso avançar? Pergunta o cavalo

Não chores porque acabou, sorri sim porque aconteceu…agora nem choro nem sorrio, agora olho as estrelas e não me encontro…
Em um Dia de Ilusão, entramos no mundo de uma qualquer estrela (de)cadente, mas poderia ser o dia de ilusão de qualquer um de nós. Se as coisas foram feitas para serem usadas e as pessoas amadas, porque usamos as pessoas e amamos as coisas?
Trata-se de um monólogo que conta as peripécias de uma diva em decadência, ou não. Ora temos Helena Prestes em palco, a diva da música portuguesa, ora temos Maria, uma governanta muito especial, provavelmente de raízes populares.
Ao espetáculo de teatro junta-se também a música ao vivo, já que a peça termina com a “diva” numa alusão a um dos seus espetáculos.

produção_ ASTA
encenação_ Rui Pires
interpretação_ Carmo Teixeira
texto_ António Abernú
direção de produção_ Sérgio Novo
design gráfico_ Sérgio Novo
adereços e acessórios_ Sérgio Novo e Paulo Runa
guarda-roupa_ Sérgio Novo e Miguel Gigante
cenografia_ João Cantador e Sérgio Novo
desenho de luz_ João Cantador e Rui Pires
operação de luz e som_ João Cantador e Rui Pires
arranjos musicais e piano_ Hugo Santos
técnico de som_ Miguel Castelo Branco
voz off_ Horácio Carvalho
duração_ 55 min.
classificação etária_ M/6
espetáculo financiado por_ Secretário de Estado da Cultura / Direção Geral das Artes