Sangue e outras substâncias

Sempre que a vida vem e nos arremessa, há que pensar, há que sentir… Há que ver, perceber, qual o raio que se apresenta frente a nós… infravermelho, ultravioleta… Sabemos que tudo no final se resume a intensidade, frequência e polarização. No entanto, respiramos, somos seres presentes numa dinâmica contínua de matéria, energia e… sensação?! Uma constante indissociável da certeza de o não ser. Ser?! Espectro, dualidade, onda, partícula, luz, cor, sentimento, procura incessante do eu, do SER. “Deram-me a luz da lua e eu quero fazer-te a cena final!”. No entanto lá fora, no momento atual, a vida germina. Acto suicida, que fique expresso, e nada sai além de sangue e outras substâncias, sólidas, líquidas… do corpo físico humano. Estamos cá, por cá ficamos… até que a matéria se decomponha e transforme em substâncias, vitaminas, vida profícua, pronta a germinar. Há um momento na vida em que ou és, ou condenas-te à inexistência. Não se sofre por antecipação! Eu estou cá, e tu vens?!

Produção_ TeatrUBI_ ASTA
Criação e Direção_ Rui Pires_ Sérgio Novo
Assistente de Direção_ Helena Ribeiro
Texto_ Alexandre O’Neill_ Anaïs Nin_ Ary dos Santos_ Edmilson Gomes_ Fernando Pessoa_ Filipa Canelas Pinto_ Gonçalo de Morais_ Mark Manson_ Renata Corrêa_ Iuri Lopes
Voz Off_ Edmilson Gomes_ Filipa Canelas Pinto_ Gonçalo de Morais_ Helena Ribeiro_ Iuri Lopes
Edição Vídeo_ M4Mproductions_JoãoM2Inácio
Desenho de Luz_ Pedro Fonseca/colectivo
Sonoplastia_ Noel Vieira
Cartaz_ Marisa Inglês
Guarda-Roupa_ Inês Santos_ TeatrUBI_ ASTA
Cocriação e Interpretação_ Edmilson Gomes_ Filipa Canelas Pinto_ Gonçalo de Morais_ Helena Ribeiro_ Iuri Lopes