UM CLÁSSICO

Um Clássico atravessa gerações. Toca a todos (porque trata temas que tocam a todos) porque persiste na memória coletiva. Um Clássico representa ideias da época em que é criado. Um Clássico representa sentimentos da época em que é criado. Um Clássico mostra paixões intensas e múltiplas. Um Clássico regista a complexidade do seu tempo. Um Clássico inventa a complexidade do seu tempo. Um Clássico retrata um contexto histórico importante. Um Clássico usa (inesperadamente) uma linguagem inesperada. Um Clássico cria expressões exemplares e inusitadas. (Um Clássico usa sempre o antigo acordo ortográfico?!). Um Clássico não se enquadra em nenhum estilo (e é possível que crie um estilo novo). Um Clássico é inovador (mas não era Um Clássico?). Um Clássico repercute-se na vida das pessoas e na vida das (outras) obras. Um Clássico é-nos familiar. Um Clássico nunca pára de dizer aquilo que tem para dizer. Um Clássico é inesgotável. Um Clássico produz efeitos nas consciências. Um Clássico é uma forma de conhecimento. Um Clássico relê-se e redescobre-se. Um Clássico revela. Um Clássico dura. Um Clássico diz não à morte. É isto que nos propomos criar – Um Clássico.

Produção_ ASTA
Criação e direcção_ Vera Mantero
Assistente de direcção_ Elizabete Francisca
Interpretação_ Carmo Teixeira_ Sérgio Novo
Direção Técnica_ Pedro Fonseca/colectivo, ac
Produção e comunicação_ Rui Pires
Design Gráfico_ Sérgio Novo
Guarda Roupa_ Inês Santos
Cenografia_ Sérgio Novo
Género_ Cruzamentos Artísticos
Idioma_ Português
Classificação_ M/12
Duração_ 55m